"Todo aquele que ler estas explanações, quando tiver certeza do que afirmo, caminhe lado a lado comigo; quando duvidar como eu, investigue comigo; quando reconhecer que foi seu o erro, venha ter comigo; se o erro for meu, chame minha atenção. Assim haveremos de palmilhar juntos o caminho da caridade em direção àquele de quem está dito: Buscai sempre a Sua face."

Agostinho de Hipona

23 de junho de 2009

Tempo para a família

Em todas as palestras ou culto para casais que participamos, ouvimos a mesma ladainha: " Precisamos reservar pelo menos um (01) dia da semana para a família e etc e tal.

Vamos tomar um exemplo, considerando os eventos/atividades da Igreja da qual faço parte:

Segunda-feira: Oração dos homens. (o marido/pai não está em casa com a família)
Terça-feira: Culto de edificação cristã (todos na Igreja)
Quarta-feira: Oração das irmãs à tarde, oração dos jovens e tbem classe de ensino básico de teologia (um dos membros da família estará na Igreja)
Quinta-feira: Noite da Vitória (todos na Igreja)
Sexta-feira: Reunião dos casais
Sábado: Culto com toda a Igreja
Domingo: pela manhã: escola dominical, separado por faixas etárias, à noite culto da família (todos na Igreja de novo)

Acrescente a isso mais uma noite ou tarde de sábado para o Grupo de Crescimento, se for um dos obreiros. Se for músico, há os ensaios sábado à tarde ou num dos dias da semana... Os obreiros precisam também fazerem visitas periódicas com sua esposa aos demais membros da Igreja...

Quando (em que dia da semana) nos reuniremos em família, sabendo que muitos traduzem "fazer a obra" ou "estar bem com Deus" com o ato de ir a Igreja?

Com certeza nosso encontro com os irmãos para adoração, Palavra e intercessão conjunta é necessário, benéfico e bíblico. Porém, como transformamos tudo em lei, somos cobrados a participar das atividades e para ingressarmos num dos grupos da Igreja e com isso desenvolvemos culpa quando faltamos no culto ou deixamos de comparecer a uma das atividades do departamento.

...

É preciso repensar nossas atividades eclesiásticas. O quanto, ou quais delas, agregam valores para uma espiritualidade sadia?

8 comentários:

Adelita Olbrisch disse...

Oi, Mário!

A igreja que congrego não possui uma "agenda" tão cheia.
O meu único "dever" seria frequentar o culto aos sábados ou domingos. Sinto falta (ainda mais em finais de bimestre na facul que tudo é corrido) de frequentar mais assiduamente os cultos.
Não sou mãe, nem esposa, nem namorada de nenhum bonitão, mas sou filha de pessoas lindas: Barbara e Emilio. Amo meus pais, e a correria da semana não me permite conversar ou ficar com eles mais do que meia hora (dividindo tudo isso com comer correndo, tomar banho correndo, me arrumar correndo e sair correndo). E ao voltar para casa, eles já estão se recolhendo.
E, confesso, que muitas vezes já troquei cultos para ficar com eles em casa, jantar, almoçar na companhia deles ...
Como já disse: sinto falta de ir mais aos cultos, mas ainda escolho meus pais.

Fique com Deus..
Abraços.

Mario disse...

Nem sempre que estamos juntos estamos realmente juntos, não é verdade? Acredito que a Igreja deve ensinar seus membros a desfrutarem dos momentos com a família e amigos!

Abraços, obrigado pela visita!

Felipe M.Nascimento disse...

Paz em Cristo jesus eu gostei muito do teu Blog é mo benção... ((Veja))www.blog-vidaprofetica.blogspot.com deixe um comentaria blz até logo valeuuuuu...

Mario disse...

Felipe, volte sempre!

Vou passar no seu blog tbem.

Paz!

Agnaldo Gomes disse...

Com certeza tem que ser repensado.
Acho que o tempo com a familia é extremamente importante e algumas denominações precisam praticar aquilo que recomendam aos membros.
E para isso é preciso que a mesma possa reogarnizar as atividades da Igreja para que os membros(principalmente obreiros) possam ter tempo com a familia.

Em Cristo,
Um abraço e parabéns pelo blog.
Agnaldo Gomes publicou um post sobre.. Deus Não Quer Você no Culto!

Mario disse...

Obrigado pela visita Agnaldo. Visitei o seu espaço na web, muito bom!

Que Deus lhe abençoe grandemente.

Anônimo disse...

Existe uma diferença enorme entre estar junto e estar unido. Quanto a igreja e familia, parece realmente que as familias perdem suas identidades quando se tornam igreja, mas não deveria ser a igreja uma família? Talves devessemos deixar de levar as famílias para a igreja e levar a igreja para as famílias.

Leonel vieira (leonel.v@terra.com.br)

Mario disse...

Gostei Leonel,

Acho que é por aí...

Volte mais vezes!