"Todo aquele que ler estas explanações, quando tiver certeza do que afirmo, caminhe lado a lado comigo; quando duvidar como eu, investigue comigo; quando reconhecer que foi seu o erro, venha ter comigo; se o erro for meu, chame minha atenção. Assim haveremos de palmilhar juntos o caminho da caridade em direção àquele de quem está dito: Buscai sempre a Sua face."

Agostinho de Hipona

2 de setembro de 2009

Acabei de morrer, agora é a vez de vocês


Rascunho sobre Atos 1.8

“Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”.

Quando recitamos ou lemos esse verso do primeiro capítulo do livro de Atos, enfatizamos o vocábulo grego dynamis de tal forma que perdemos de vista outra palavra imprescindível para a correta compreensão dessa famosa passagem: testemunha.

Dynamis pode ser traduzido por poder, virtude, dinamismo e lançando nesse texto bíblico um olhar neopentecostal, empresarial, capitalista (...), acabamos alimentando o deus deste século e todas as suas formas de desejos já apontados quase dois mil anos atrás pelo Apóstolo João, em sua primeira carta. Concupiscências.

Testemunha é martyrios no texto grego original, é aquele que, se for preciso, morre pela causa, dá literalmente a sua vida por aquilo que acredita. Encontrei essa excelente definição no Blog Assim Mesmo: “O mártir é aquele que, podendo escapar, não o faz. É testemunha da sua própria entrega.”

Vivendo no natural (na carne como dizemos), não teríamos condições de enfrentar a morte defendendo Jesus e seu Evangelho. Então Ele diz “fiquem em Jerusalém, para receberem poder pra morrer”. Ou então “acabei de morrer... agora é a vez de vocês... porém esperem o revestimento do alto pra que vocês não tenham os valores e bens deste mundo como mais preciosos que Eu e então, dessa forma, não queiram mais morrer”.

2 comentários:

Felipe disse...

Paz do Senhor
Que grande verdade é essa de que nao queremos mas morrer hein...
Na verdade vejo que o crente quer cada dia + ser cheio de "poder"... e por essa busca neopentecostal insessante de um sobrenatural nao consiguimos + pensar no exemplo de Jesus e dos martires que nos antecederam que amando aquilo no qual acreditavam deram sua vida pala causa.

Mario disse...

Felipe, em algum momento da história (talvez em meados do 3ºséc.)houve essa transição de postura/atitude dos cristãos frente aos desafios do Evangelho.

A perseguição purifica as intenções, de modo que qdo a Igreja sai da marginalidade ela ganhou e perdeu. Ganhou espaço e liberdade de expressão, mas perdeu sua integridade e sua missão...

Abraços!