"Todo aquele que ler estas explanações, quando tiver certeza do que afirmo, caminhe lado a lado comigo; quando duvidar como eu, investigue comigo; quando reconhecer que foi seu o erro, venha ter comigo; se o erro for meu, chame minha atenção. Assim haveremos de palmilhar juntos o caminho da caridade em direção àquele de quem está dito: Buscai sempre a Sua face."

Agostinho de Hipona

5 de maio de 2011

A transparência com o dinheiro é necessária!


Gostaria de ter escrito esse texto!!!

Você sabe como a sua congregação gasta o dinheiro dos dízimos e ofertas arrecadadas? Você é informado sobre os custos rotineiros e os custos eventuais que sua igreja possui? Você recebe relatórios informando os detalhes dessa contabilidade? Afinal, há transparência com o dinheiro? Há transparência na liderança de sua igreja?

Infelizmente, eu presumo que poucos dos meus leitores podem dar uma resposta positiva. Há igrejas que são exemplos de transparência com seus gastos, mas a maioria não é, nem entre os membros com cargos na congregação, o conhecido “presbitério informal”. O mundo das finanças é um completo quarto escuro, cheio de surpresas e mistérios.

O discurso tido como espiritual costuma dizer: “Ah, eu dou o meu dízimo como louvor e não quero saber o que fazem com esse dinheiro, pois já fiz a minha parte”. Esse escapismo demonstra a completa falência do conceito de igreja. Afinal, igreja não é uma comunidade? É possível um casamento onde a esposa não sabe nada sobre os gastos do esposo e vice-versa? Que comunhão eclesiástica é essa?

A transparência da liderança

Ainda vivemos no Brasil uma cultura aristocrática (ao Rei tudo!), e a nossa cultura contaminada é a mesma que contamina uma igreja “mundanizada”. Ninguém pode contestar e a relação entre liderança eclesiástica e os seus membros é distante e sem transparência. O modelo congregacional, que era predominante dos primórdios do pentecostalismo brasileiro, simplesmente acabou. Hoje vivemos não um episcopado, pois essa ainda possui virtudes, mas um caciquismo.

É interessante ler as cartas de Paulo e observa o nível de comunhão que esse pastor-missionário possuía com as igrejas das quais ele havia fundado ou passado. Há um diálogo aberto, onde ele apresenta os problemas e soluções e fala do seu ministério, para transmitir confiança as suas ovelhas.

O nono capítulo de I Coríntios mostra essa face transparente do apóstolo. Ele apresenta uma justificação bem embasada sobre o motivo pelo qual um obreiro é digno de sustento. Ele não ignora a preocupação da igreja nesse tema, mas explica cada detalhe sobre o assunto. Ao final mostra, ele mesmo, que abnegou desse direito legítimo.

O teólogo canadense D. A. Carson comenta a atitude de Paulo:

Isso é admirável. Paulo se mostrou tão preocupado em provar sue próprio compromisso- sincero, espontâneo e voluntário- com a tarefa da pregação apostólica à qual havia sido chamado, que decidiu abandonar um de seus direitos. Ele renunciou o direito de ser sustentado, sabendo que essa decisão lhe custaria grande quantidade de tempo, esforço, labor e mal-entendidos adicionais. Mas ela o capacitou a pregar o evangelho “de graça” e ser um exemplo da liberdade da graça na maneira como servia. Essa renúncia também o capacitou a mostrar que servia não meramente por obrigação, mas também por conta de uma mente e vontade transformadas, de modo que, pela graça de Deus, ele estava, de fato, acumulando tesouros no céu. [1]

Veja como Paulo era um homem transparente. Mostrou a dignidade do salário, mas ainda assim renegou esse dinheiro. Eu não queria passar a ideia que pregasse o Evangelho em busca de uma recompensa. Evitava ao máximo a imagem de “aproveitador”, mesmo sabendo que era moralmente correto receber ajuda das igrejas. Paulo fala em I Co 9.18: “Nesse caso, qual o pagamento que recebo? É a satisfação de anunciar o evangelho sem cobrar nada e sem exigir os direitos que tenho como pregador do evangelho” (NTLH).

“Mulher de César” e o perigo do orgulho

E é curioso saber que hoje grandes lideranças evangélicas não estão “nem aí” com a imagem que passam para os seus rebanhos. Podem até ser honestos, mas não são transparentes. Muitos são até arbitrários, e não aceitam nenhuma contestação. Outros, bem desonestos, colocam a contestação legítima como “um grande pecado”, e assim escapam pelo medo que colocam nas ovelhas. E aí há os seguidores fanáticos que dizem: “Não toqueis no ungido de Deus” (sic)!

É como diz o ditado: “Não basta que a mulher de César seja honesta, ela precisa parecer honesta”. Um líder cristão que usa e abusa dos seus direitos não está em sintonia com o Evangelho, pois não há renúncia. Se um pastor acha humilhante a “prestação de contas”, então ele deixa de fazer pelo orgulho humano tomar o seu coração e passa a achar que é um sujeito incontestável, sendo o grande buraco da ruína.

O líder cristão transparente não ostenta e nem é cheio de autopiedade. Como disse John Piper:

Ostentação é a reação do orgulho ao sucesso. Autopiedade é a reação do orgulho ao sofrimento. A ostentação diz: “Eu mereço admiração por ter conseguido tanto sucesso”. A autopiedade diz: “Eu mereço admiração por ter me sacrificado tanto”. A ostentação é a voz do orgulhoso no coração dos fortes. A autopiedade é a voz do orgulho no coração dos fracos. [2]

O líder que esconde os seus feitos ou é desonesto ou é orgulhoso. É hora de prestar contas!

Referências Bibliográficas:

[1] CARSON, Donald A. A Cruz e o Ministério Cristão. 1 ed. São José dos Campos, 2009. p 162.

[2] PIPER, John. O Que Jesus Espera dos Seus Seguidores. 1 ed. São Paulo: Editora Vida, 2008. p 138.

Nenhum comentário: